02:07 h. Lunes, 11 de Diciembre de 2017

Xornal Retrincos

Desperta já do teu sono que che vão sendo horas...

Professor

José Manuel Barbosa | 23 de Mayo de 2011

O atual galeguismo tem um certo complexo de masoquista derrotado.

O atual galeguismo tem um certo complexo de masoquista derrotado. Joga a perder e leva desde os finais dos anos 70 a querer governar a Galiza sem se dar conta que as portas é que se abrem com chaves e não com arietes.

Exprimo-me:

O Bloco é uma formação política que legitimamente se define como nacionalista e de esquerda, mas o seu grande erro é pensar que todo o nacionalismo está dentro do seu seio. Acho isso um grave erro.

Para mim a Galiza deveria ter um panorama político-partidário completo, e não só uma formação de esquerdas numa situação sistémica como esta. Mas pôde ter sido diferente, pois se nos ofereceram momentos históricos importantes nos que se houve de consolidar uma conformação partidária normal como se dá em outras nações sem Estado de Europa e nomeadamente no Reino da Espanha onde com tão grande sucesso se tem desenvolvido.

  Quando a primeira constituição do parlamento galego, lá pelo ano 1981 deu-se-lhe ao Bloco por não jurar a constituição. Com isso ficou afastado do Parlamento galego perdendo um tempo importantíssimo. Ali teria sido importante estar ainda que aquela situação de extraparlamentariedade fez refletir à gente do aparato até o ponto de modificarem a sua estratégia absurda e totalmente falta de pagmatismo. Aquela atidão errada facilitou a etiquetagem de “radicais” posta pelos de sempre e que leva funcionado à perfeição cumprindo objetivos de descrédito contra a única força nacional que a dia de hoje temos nas instituições.

Com a chegada da velha Coligação Galega em 1985, com os seus onze deputados, muitas pessoas chegaram a pensar que na Galiza se instalava a inteligência e se via como na última nacionalidade história, assim definida legalmente, começava a funcionar uma praxe de normalidade com um arco parlamentar próprio e completo. O incomodo dos de sempre e as suas artes de equipa italiana de futebol fez que em poucos anos aquele balão perdesse todo o oxigênio. A ideia era velha: fazer que só o Bloco jogasse como a única equipa autótone, com uma inviabilidade política manifesta pelas suas praxes políticas quase soviéticas e pela imagem que se lhe gerava nos média de “pró-etarras” num campo de jogo estranho com umas normas que não lhe permitissem nunca ganhar.

Após uma eternidade de anos a governarem os de sempre o Bloco parecia que poderia conseguir algo, mas o campo de jogo cheio de lama e com os árbitros comprados era impossível chegar à baliza do contrário.

O problema nessa altura já não era que os outros tivessem más artes no jogo ou que os árbitros apitassem em favor da equipa italiana. Agora o problema era que o dogmatismo próprio não estava pelo labor de adequar as estratégias, as técnicas e as táticas a uma situação diferente à dos anos 80. Agora fazia falta algo mais de adatação para apanhar votos ali onde estão, que não é justamente onde Marx dizia. O Bloco queria ser o único galeguismo possível e conseguir vitórias apanhando apoios ali onde não havia votos parecia não levar a nenhures. Por outra parte havia quem sim tinha vontade de jogar no centro do campo e mesmo pelas bandas direitas mas o bloco insistia em atacar pela esquerda que era onde mais defensores da equipa italiana havia com um forte cattenaccio que mesmo parecia o muro de Adriano

E assim estamos, com um galeguismo que se esgota querendo entrar pela esquerda e com um flanco direito totalmente vazio. Acho isso um erro gravíssimo que faz que a Galiza esteja como está: Governada pelos de sempre que se emborcam felizes porque os galeguistas não sabem ou não querem atacar pelo centro e/ou pela direita abrindo jogo. Justo como fazem as nações sem Estado inteligentes que prometem um sucesso imediato. É por isso pelo que eu pensei sempre que na Galiza faz falta uma força política galeguista de centro-direita. Quando houver essa força os equilíbrios entre os partidos serão outros. Não haverá maiorias absolutas do PP e o Bloco teria uma alternativa quando ele não funcionar (cousa que acontece nestes últimos anos)

Por outra parte os de sempre levam obstaculizado ao máximo a criação dessa força porque sabe o que se lhe viria acima se esta existir ainda que devemos fugir da ideia de querermos botar-lhe as culpas aos contrincantres políticos, porque... lembremos, eles acreditam numa ideia de Espanha que se passa por esvaziar de conteúdo nacional a Galiza. E isso é que o fazem sem se despentearem pelo poder que os galegos cedem. Não lhe botemos culpas. É o seu labor: estragar tudo o que há de sagrado neste País. A responsabilidade de defendê-lo tem-na o galeguismo que o permite por não querer modificar as suas estratégias e as suas formas de fazer política. Esse galeguismo está a deixar que isto aconteça.

Acho que o Bloco está nestes momentos em fase queda livre no que diz respeito à confiança que gera no votante galego. Não é capaz de dar no alvo nem sabe criar elementos que o façam atrativo para que o projeto galego tenha um mínimo de sucesso. Joga no terreno do PP e do PSOE, está sequestrado e não há alternativa.

O PSOE nestes momentos não oferece nada à Galiza, nem bom nem mau. É totalmente plano no seu encefalograma até o ponto de que por não saber, não sabe nem sequer tornar-se "galeguista" como o PSC é catalanista em Catalunha ou sequer assumir essa condição com a “sobradez” com a que o Manuel Fraga chegava a fazê-lo conseguindo trazer para si um celeiro de votos que gerou umas rendas das que a dia de hoje vive o Feijoismo  apoiado na comodidade da ignorância que nasceu ao redor do ex-ministro de Franco.

A situação da Galiza é pésima do ponto de vista económico, social, político, económico, cultural, linguístico, não se cria riqueza no País, volta a emigração às casas dos galegos, a sociedade está total e absolutamente subvencionada... morre mais gente da que nasce e a patetada galaica pensa que isso é algo gerado em Madrid quando na realidade Madrid pouco poderia fazer se os galegos tivéssemos governos que defendessem os nossos interesses com total normalidade e explorassem as nossas riquezas materiais, espirituais, morais, culturais com inteligência e com a sabedoria que deveria fornecer a responsabilidade de ter a Galiza nas nossas mãos. Algo pelo que muitos galeguistas morreram e sofreram nas longas noites de pedra que se sucedem e perpetuam desde os tempos de Maria Castanha.

Levamos mais de 30 anos a desaproveitar a situação de autonomia política que custou sangue, suor e lágrimas. Levamos permitido que os de sempre estraguem a Galiza num pingar continuo de despropósitos. Nós temos a possibilidade de prosperarmos mas os de sempre estão a rebentar a saída natural do que para eles seria o terceiro território que poderia causar-lhes um problema "nacionalista". Como isto é um perigo em potência para eles, é-lhes melhor fazer uma limpeza étnica encoberta e incruenta do que agirem governando-nos só um pouquinho.

Parece mentira que muita da nossa gente não acabe de dar-se conta disto. Prefere dormir o sono dos justos sem tomar consciência de que somos o território peninsular potencialmente mais rico e com mais hipóteses de encaixe e de sucesso no mundo do que ter a consciência de que ocupamos físicamente a coluna vertebral do mundo civilizado, pertencendo a um mundo atlântico, céltico e lusófono que para si quiseram muitos países, mas se o pessoal está dormido -já o comentei-, não é culpa de quem o dopa, é de quem se deixa e de quem o deixa, quer dizer, é responsabilidade nossa e de quem tem o dever de nos guiar na nossa autoafirmação, na nossa identidade, na nossa defesa como povo e na nossa reafirmação e autoestima.

Más acciones:
Facebook